domingo, 25 de abril de 2010

Jó. A conspiração entre deus e o diabo.



Até o momento em que eu acreditava ainda na possibilidade do Javé ser o verdadeiro Deus, pai de Jesus, supostamente ETERNO, eu conseguia ver no livro de Jó uma grande parábola, em que o personagem principal representava não um, mas vários personagens em momentos diferentes da história que corresponderia um tempo antes da queda, em que o Jó seria uma alegoria ao próprio Adão mosaico.

Em momentos da história ele se confunde com o Caim e em momentos ele se confunde com o próprio Cristo bíblico, tal a riqueza da narrativa, eis que no conto muitíssimo bem articulado, essa criatura é restaurada.

Como eu cria na restauração do Adão e na restauração do Caim, discernia o Abel como o fator de restauração do Adão e o Jesus Cristo bíblico como fator de restauração do Caim, ambos vítimas da mesma criatura, a saber, aquele que mata o "Justo", o "Pastor", a "Rocha". simbolizados pelo "Cordeiro Eterno", minhas leituras de Jó tendiam a apontar para uma grande e completa alegoria.

Tendo discernido nestes últimos dias (mais ou menos dois meses), a verdadeira natureza do Javé, e do Moisés as coisas ficaram mais claras. Terrívelmente claras (para quem não via nada), a ponto de perceber a malícia do grande contador de histórias do universo.

Sim, quem conta a história de Jó só pode ser um: O filho do diabo, Caim, a saber, Moisés que é seu grande pseudônimo e que em alguns casos é convenientemente um anônimo, como no caso de "Hebreus".

A tarefa dele, é enganar, contar fatos maliciosamente, tornar heróis os bandidos, e como em qualquer filme, caro ou barato de Hollywood, demonstrar por enigma que o Mocinho é o verdadeiro bandido, pois ele, de alguma forma, se jacta de ser o bandido.

Há prazer nele em revelar por enigmas a sua identidade da qual ele deve se orgulhar muito....

Uél... tendo dito isto, devo dizer que tenho que repensar esse discernimento acerca do Jó.

Não foi apenas o Adão que "caiu".

Tem o Lúcifer... tem a primeira mulher do Adão que fugiu com o Lúcifer, a saber a Lilith, muito bem escondida e sonegada pelo Moisés.

Quem sabe estes dois não figuram os personagens centrais de Jó?

Os filhos mortos... conferem com os filhos mortos da Lilith, conferem com os filhos mortos do "principal assessor do rei" o tal Hamã, no conto de Ester.

Aliás, esse conto de Ester, mostra a mesma relação dessa suposta luta entre deus e o diabo.

Ester 3:11 E disse o rei a Hamã: Essa prata te é dada como também esse povo, para fazeres dele o que bem parecer aos teus olhos.



Os Judeus ali representados, tem referência com o Caim, jurados de morte, mortos e dizimados como os filhos de Jó.

Uél... até onde consigo escrever pensando e pensar escrevendo, continuo a ver no livro de Jó uma grande parábola e um grande enigma diante dos nossos olhos.

O que muda apenas é que eu estava me esquecendo que antes do Adão, quem caiu foi o Lúcifer, e aí a história muda de prisma.

E a pregação não só justifica o caído, mas o coloca como o grande super-herói.

Ora, sabemos todos que o grande super-herói deste mundo é o dono do ouro e da prata tão desejados por este mundo evangélico, a saber: o anticristo

Através do anticristo, filho da perdição e do perdido esse casal maligno, o principal caído, pretende se entronizar e realizar o seu grande e genial sonho. The Dream.

3 comentários:

ALLAN disse...

vc não está em espirito e nem em verdade é só mais um usado pelo diabo Deus é Deus E JESUS CRISTO É O SENHOR!

Ronald disse...

Amado Allan, obrigado pela participação e leitura do blog.
Jamais tenha dúvida de que DEUS é DEUS, não importando de quem tenha se feito passar por ele, afirmando ser Deus, Senhor de Senhores, intermediário, profeta e o escambau... e creia, não por estar escrito, posto que o papel aceita tudo, que no verdadeiro DEUS não há treva nenhuma, nem sombra, nem variação, nem arrependimento, nem criação de nada relativo. Quando você verdadeiramente amar a VERDADE, não dará mais ouvidos às mentiras daquele que mente desde o princípio.

Ronald disse...

Como disse em um outro comentário, você está no terceiro grupo de enganados. E poderei te explicar o porque, tenho certeza absoluta. Yes!!! Em dois meses voce acha que consegue esgotar algum assunto bíblico, ainda mais se precisa detectar equivicos de traduções, etc, etc? Volto ao ditado: o problema do esperto é achar que todo mundo é trouxa. Abraços.